– Festival Tonalidades | Espinho 28/05

 

O Auditório de Espinho recebe sexta (dia 28) e sábado (dia 29) o festival Tonalidades, cujo cartaz dedicado a valores emergentes da música nacional tem como uma das principais atracções a música “onírica ou Arte Nova” de Emmy Curl.

É esse o nome artístico de Catarina Miranda, a jovem de Vila Real que, aos 20 anos, revela no seu desempenho como compositora, guitarrista e intérprete aquilo que a organização do festival descreve como “complexidade melódica e intimista”.

A cantora complementa essa descrição, acrescentando que, se pudesse definir a sua música através de “um nome fora da paleta de cores, a palavra seria ‘Onírico’ ou ‘Arte Nova'”.

Essas possibilidades adequam-se, aliás, ao seu pseudónimo artístico, porque se o nome “Emmy” se lhe aplica desde os tempos de liceu, “Curl” foi um sobrenome escolhido a dedo para garantia de consistência: “O caracol é o meu objecto e forma favorita desde que me lembro. Tudo o que as espirais possam significar ou lembrar tem a ver com a minha pessoa e também com a minha música – o onírico, o embalo, o espiritual, a infância, a vida”.

Essas referências delicadas não impedem que Emmy Curl seja “a personalidade exteriorizada de Catarina, talvez o seu lado mais seguro, uma personagem que expressa as inibidas águas de Miranda”.

O reverso de uma e outra tem o seu paralelo no contexto geográfico em que a artista se move, porque se, profissionalmente, ter base em Vila Real é “uma dificuldade, artisticamente é um antro de inspiração”.

Emmy explica: “Quando chego às montanhas não consigo deixar de criar mais uma canção. “Às vezes olho para toda aquela austeridade magnífica e fico imensamente convencida de que ela me escolheu para canalizar a sua beleza, apesar de eu ainda não o conseguir por completo”.

“Há coisas que a nossa mente ainda não consegue perceber, como se a beleza em excesso nos deixasse petrificados”, continua a cantora. “Adorava poder trabalhar com hologramas musicais e conseguir pintar a música com todos os tons daqueles vales”.

Entretanto, Emmy vai criando o possível: da infância trouxe a experimentação no estúdio dos pais, do conservatório preserva o dedilhado da guitarra clássica e o canto lírico, de toda a música que ouve retira méritos específicos, como os que encontra em Little Dragon, Zero 7, José Gonzalez, The Vanduras e Andrew Bird.

As canções foram crescendo, reuniram-se no EP “Ether” e, se há três anos Emmy descobriu a internet, a partir daí o público descobriu-a a ela.

Na sua página do myspace as visitas podem surgir por acaso, mas detêm-se: “Like the rain” já contabilizou quase 3500 escutas, “Sailor” aproxima-se das 5000 audições e “Epiphany” deve em breve chegar às 6000.

Esta sexta à noite, em Espinho, Emmy Curl vai partilhar o palco com “um amigo baixista”. “Metaforicamente, ele vai trazer-me a cama quente de que a minha música precisa quando é tocada só com voz e guitarra”, revela a artista. “Quem for ver o concerto e tiver previamente ouvido as minhas canções, pode esperar a equivalente surpresa”.

O festival Tonalidades realiza-se sexta e sábado à noite no Auditório de Espinho. No primeiro dia o palco cabe a Emmy Curl e Mazgani, no segundo a Long Way to Alaska e Cavalheiro.

(Retirado do DN Cartaz)

Comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: