Envolve-te

Não, tu não sabes.

Não sabes o que é parares no meio da multidão, e desapareceres. Estagnares.

Paras de olhar para o papel. Levantas a cabeça e observas.

Gente, Gente e Gente.

Fato e gravata e postura intocável, miúdas que começam a dar as suas voltas sozinhas, e conversas alheias que ouves por códigos (e não propositadamente) já que se encontram ao teu lado. Em plena esplanada, rua das montras, 17h05, começa a arrefecer, Novembro. A agitação é constante, mas é uma agitação que eu gosto. Ok, as castanhas, ou melhor, o “aroma” delas assadas invade a rua das montras, e pára sempre gente lá.

Dois beijos, despedida.

Tostas mistas e cafés, ou refrigerante para contrariar.

Dou conta que deveria ter pago a conta logo que me serviram aqui na esplanada, mas pela minha cara tão descontraída e enfeitiçada por este ambiente, o empregado nem sequer teve coragem de pedir.

Um homem à janela, da Alliance Française, olha para aqui para baixo. Não sou só eu que tenho vontade de parar no tempo e observar isto tudo. É que é brutal.

Tu sentes que observas de outro prisma, então sentes-te calmo, sossegado e sereno, em missão de observação, mas simultaneamente, sentes um efeito de ansiedade, de felicidade, nostalgia e vontade.

(Sim, já vamos ao chocolate quente – sms)

Até com este frio toda a gente se agasalha e a esplanada enche. É a procura que todos uma vez (pelo menos pensamos): eu estou aqui, alguém repara? No mesmo sítio, existem milhares de pensamentos, pessoas, objectivos, rumos. É espectacular (tentares) decifrar na expressão, no caminhar, no olhar, ou até no que o interior te oferece, em vez do que o exterior te descreve.

Mãe e filho estrangeiros – relato escolar

Festa – secundário

Sozinha – vida

Homens – futebol

Mão dada – conquista

Expresso – destino, objectivo, persistência, rotina

Direita, esquerda, baixo e cima, rua estreita, longa, torta (pára a olhar par mim. Quer se sentar?).

Discussão – novas tecnologias

Informações – diálogo

Mistura – Sociedade – Homogéneo ? – Pára – Preocupa-te – Envolve-te

Nem mais. (eu sei Bruno)

Era para ter terminado, mas o “barulho” não pára e continua a despertar. (As luzes (de Natal) despertam, ok, ligam).

É sempre assim, por muito que tentes ignorar.

(Alguma coisa a ver com o Italiano da aula?)

2 Comments

Add yours →

  1. !? preciso de contexto para compreender.

    • Um texto que é sobretudo um desabafo de todas as ideias que nos aparecem ao observarmos o que nos rodeia. Ao perdermos tempo com os outros, ou aprendermos a parar e a escutar. É “simplesmente” um misto de ideias, sentimentos, conceitos, opiniões, reflexões e detalhes de uma pequenina paragem no tempo, em pleno centro da cidade das Caldas da Rainha, que tem como objectivo que seja transmitido, ao ler, o entusiasmo, a revolta e a agitação que a sociedade, e tudo o que dela se manifesta nos provoca.

Comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: